aa

"Não vou condenar ele antes e nem vou acobertar", diz Carlão sobre vereador preso

Durante sessão, presidente da Câmara reafirmou que a investigação sobre Claudinho Serra não envolve o mandato

Por GLAUCEA VACCARI em 04/04/2024 às 13:50:21

Vereador Carlão, presidente da Câmara Municipal - Foto: Izaias Medeiros

Durante sessão na Câmara Municipal de Campo Grande, nesta quinta-feira (4), o presidente da Casa, vereador Carlão usou a palavra para falar sobre o caso do vereador Claudinho Serra (PSDB), preso ontem (3) durante operação do Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime (Gaeco), que apura corrupção envolvendo o Executivo Municipal de Sidrolândia.

"Eu não vou condenar ele antes e nem vou acobertar, a gente tem que esperar as coisas acontecerem", disse.

Carlão j√° havia se manifestado, afirmando que a Câmara não havia sido notificada judicialmente sobre a prisão e que a investigação não envolve o mandato do parlamentar e, consequentemente, o trabalho dele como vereador, j√° que apura supostos crimes cometidos antes de Claudinho assumir mandato e foram em Sidrolândia.

Nesta quinta, ele voltou a falar sobre o assunto, desta vez no plen√°rio, e reafirmou que os trabalhos no Legislativo Municipal continuam normalmente enquanto não houver decisão ou notificação judicial sobre o caso.

"Nosso regimento é claro, então ele faltou a sessão de hoje e vai levar falta, tinha outro funcion√°rio dele investigado também e foi exonerado. A Câmara não foi notificada judicialmente, eu nem sei quem é o suplente dele, então não cabe à Câmara intervir em ação judicial. Assim que for notificado, vou passar para o procurador e o procurador vai analisar", disse.

O presidente da Casa explicou ainda que os projetos que exigem quórum especial necessitam de 20 votos, o que não ser√° prejudicado com a aus√™ncia de Claudinho Serra durante o período em que estiver preso.

"Se ele ficar ausente mais sessões do que o regimento permite [10 sessões consecutivas], ser√° chamado o suplente, e se tiver um alvar√° de soltura ou alguma cautelar da Justiça dizendo que ele tem que ficar afastado, aí nós vamos afast√°-lo e convocar o suplente, que o TRE vai informar", explicou.

"Por enquanto não tem nada, o vereador est√° sendo acusado, ele é réu, mas não tem condenação de trânsito em julgado, de outro município, então não cabe à Mesa Diretora intervir nessa ação da Justiça", acrescentou.

Carlão concluiu ressaltando que, se houver condenação, o próprio Tribunal Regional Eleitoral (TRE) afasta o vereador.

"Não tem nada a ver com o mandato, se tivesse a gente teria reunido e tomado alguma decisão rapidamente, igual tomei do assessor, que era nomeado e exonerei", finalizou.

No plen√°rio, apenas Carlão comentou sobre a operação e a prisão do vereador.

Operação

Agentes dos grupos Especial de Combate à Corrupção (Gecoc) e de Atuação Especial de Repressão ao Crime (Gaeco) cumpriram oito mandados de prisão e 28 de busca e apreensão nesta quarta-feira (03).

Conforme as investigações do Grupo Especial do Ministério Público, a exist√™ncia de uma organização criminosa especializada em fraudes em licitações e contratos administrativos ficou evidenciada nas apurações, que tem como alvo a Prefeitura de Sidrolândia.

Entre as ações da organização est√° a pr√°tica do pagamento de propina feitos a agentes públicos municipais, além da identificação de um "braço" do esquema que envolvia atuação no ramo de engenharia e pavimentação asf√°ltica.

O Ministério Público aponta que os contratos j√° identificados e objetos da investigação alcançam o montante aproximado de R$ 15 milhões.

Fonte: CORREIO DO ESTADO

Comunicar erro
no

Coment√°rios

comitiva